Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/12833
Título: Aceitação da teoria da evolução no sudoeste do Paraná
Título(s) alternativo(s): Acceptance of the theory of evolution in southwestern Paraná
Autor(es): Baggio, Tânia Mara Mondardo
Orientador(es): Ghisi, Nédia de Castilhos
Palavras-chave: Evolução (Biologia)
Seleção natural
Vida - Origem
Evolution (Biology)
Natural selection
Life - Origin
Data do documento: 2-Ago-2017
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Dois Vizinhos
Referência: BAGGIO, Tânia Mara Mondardo. Aceitação da teoria da evolução no sudoeste do Paraná. 2017. 109 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, 2017.
Resumo: A Evolução biológica é um tema controverso e, na tentativa de explicar como a vida surgiu, muitos mitos, hipóteses e teorias apareceram, envolvendo crenças, Religião e Ciência. Tendo em vista as discussões que envolvem criacionismo versus evolucionismo, a diversidade cultural brasileira e o anseio em diagnosticar a aceitação da teoria evolutiva nos dias de hoje, a presente pesquisa objetivou investigar as opiniões frente ao assunto, bem como caracterizar possíveis correlações do nível socioeconômico, da escolaridade, do gênero, da idade e crenças religiosas dos participantes sobre suas concepções de origem da vida e Evolução. O estudo foi desenvolvido por meio da aplicação de questionários, com perguntas referentes ao perfil dos participantes e sobre seu ponto de vista sobre a origem da vida, seleção natural, adaptação, ancestralidade comum, Ciência e Religião. Participaram da pesquisa 80 indivíduos, subdivididos em quatro grupos pré definidos da região Sudoeste do Paraná. Após a análise e interpretação de todos os dados, foi elaborada uma matriz de dados contendo os 80 entrevistados e as 16 variáveis que compunham os questionários. Foi realizada uma análise discriminante linear de Fisher. Foram observadas que há diferenças consideráveis entre as concepções dos quatro grupos e que as opiniões mais distintas foram dos professores da Universidade e da comunidade geral, sendo que os professores da Educação Básica e os acadêmicos de Ciências Biológicas ficaram entre esses dois grupos. Os professores da Universidade e os acadêmicos de Ciências Biológicas aceitam mais os assuntos sobre origem da vida, seleção natural, adaptação e ancestralidade comum, porém, na medida que o assunto envolve Ciência e Religião há maior uniformidade, não sendo possível caracterizar o grupo mais ou menos criacionista. A escolaridade foi a variável com maior poder discriminante entre os grupos, sendo que quanto menor foi o nível de instrução, menor o conhecimento e aceitação dos assuntos relacionados a Evolução. As variáveis Religião, renda, idade e gênero não apresentaram correlação com aceitar mais ou menos a Teoria Evolutiva. As análises mostraram que há flexibilidade religiosa e que seguir uma Religião não é sinônimo de não aceitar a Biologia Evolutiva. Nesse sentido, se conclui que a maioria da população compreende que existem diferenças entre o conhecimento religioso, cultural e científico e que estes podem coexistir pacificamente.
Abstract: The biological evolution is a controversal topic and in na attempt to explain how life came about, many myths, hypotheses and theories appeared, involving beliefs, religion and Science. Considering the discussions that involve creationism versus evolutionism, the Brazilian cultural diversity and the yearning to diagnose the acceptance of evolutionary theory in the present day, the present research aimed to investigate the opinions on the subject, as well as characterize possible correlations of socioeconomic level, schooling, gender, age and religious beliefs of the participants about their conceptions of life origin and evolution. The study was developed through the application of questionnaires, with questions regarding the profile of participants and their point of view on the origin of life, natural selection, adaptation, common ancestry, science and religion. Participated in the study 80 individuals, subdivided into four pre-defined groups from the Southwest region of Paraná. After analyzing and interpreting all the data, a data matrix containing the 80 interviewees and the 16 variables that composed the questionnaires were elaborated. A linear discriminant analysis of Fisher was performed. It was observed that there are considerable differences between the conceptions of the four groups and that the most different opinions were of the professors of the University and of the general community, being that the teachers of Basic Education and the academics of Biological Sciences were between these two groups. The professors of the University and the academics of Biological Sciences accept more about the subjects of origin of life, natural selection, adaptation and common ancestry, however, insofar as the subject involves Science and Religion there is more uniformity, being not possible to characterize the group more or Less creationist. Schooling was the variable with greater discriminant power between the groups, and the lower the level of education, the lower the knowledge and acceptance of subjects related to Evolution. The variables Religion, income, age and gender had no correlation with accepting more or less evolutionary theory. The analysis showed that there is religious flexibility and that following a religion is not synonymous with not accepting evolutionary biology. In this sense, we conclude that the majority of the population understands that there are differences between religious, cultural and scientific knowledge and that these can coexist peacefully.
URI: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/12833
Aparece nas coleções:DV - Licenciatura em Ciências Biológicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DV_COBIO_2017_1_08.pdf1,85 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.