Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/3610
Título: Caracterização de nanopartículas blenda de biopolímeros (PHBV, PCL e PLLA) contendo progesterona
Autor(es): Maia, Wallace José
Orientador(es): Leimann, Fernanda Vitória
Palavras-chave: Biopolímeros
Materiais nanoestruturados
Progesterona
Espectroscopia de infravermelho
Biopolymers
Nanostructured materials
Progesterone
Infrared spectroscopy
Data do documento: 8-Ago-2014
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Campo Mourao
Referência: MAIA, Wallace José. Caracterização de nanopartículas blenda de biopolímeros (PHBV, PCL e PLLA) contendo progesterona. 2014. 42 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campo Mourão, 2014.
Resumo: A liberação de progesterona em bovinos é realizada com o objetivo de sincronizar o cio. Atualmente isso é feito utilizando dispositivos intravaginais, contudo a liberação controlada utilizando nanopartículas biocompatíveis é uma alternativa que merece ser investigada. O emprego dessas nanopartículas seria interessante para facilitar o manejo em relação à sincronização do cio nos bovinos. O polímero controla a liberação do fármaco (no caso, a progesterona) e o protege de efeitos nocivos da radiação ultravioleta, umidade e do contato com oxigênio. Diferentes polímeros têm sido estudados para encapsulação de fármacos, porém destacam-se os que apresentam propriedades de biodegradabilidade e biocompatibilidade. Este presente trabalho tem como objetivo principal caracterizar as nanopartículas blenda de polímeros naturais (PHBV e PLLA) e polímero sintético (PCL) contendo progesterona. Para essa caracterização das nanopartículas foram feitas as análises de FTIR e ponto isoelétrico. Com base nos resultados obtidos é possível observar que todas as formulações de nanopartículas poliméricas tiveram interações devido às alterações nos espectros e a formulação que apresentou maiores alterações no espectro foi a formulação composta pela blenda de PHBV/PCL, conforme observado na análise FTIR. Em relação à análise do ponto isoelétrico das nanopartículas, pode-se observar que o pH 1 levou à maior precipitação das nanopartículas, que pode significar que as mesmas atingiram o seu ponto isoelétrico. Assim, pode-se concluir que a administração oral das nanopartículas não seria muito adequada, pois o pH do fluido gástrico está em torno de 1,2, que pode ocasionar um equilíbrio de cargas levando à desestabilização das nanopartículas e a consequente precipitação das mesmas.
Abstract: The release of progesterone in cattle is performed in order to synchronize estrus. Currently this is done using intravaginal devices, yet the controlled release using biocompatible nanoparticles is an alternative that should be investigated. The use of these nanoparticles would be interesting to facilitate the management regarding the synchronization of estrous in cattle. The polymer controls the release of the drug (in this case, progesterone) and protects it from harmful ultraviolet radiation, humidity and contact with oxygen. Different polymers have been studied for encapsulation of drugs, but major attention can be given to those that present properties of biodegradability and biocompatibility. This study aims to characterize the blend nanoparticles composed by natural polymers poly(L-lactic acid) (PLLA) and poly(hydroxybutyrate-co-hydroxyvalerate) (PHBV) and the synthetic polymer poly(ε-caprolactone) (PCL) containing progesterone. The nanoparticles were analyzed by Fourier Transform Infrared Spectroscopy (FTIR) and the isoelectric point of nanoparticles suspensions were determined. Based on the results it was observed that all formulations of polymeric nanoparticles presented interactions between the polymers and the drug due to changes in FTIR spectra. The formulation which showed larger changes in the spectra was the blend of PHBV / PCL. Regarding to the isoelectric point analysis of the nanoparticles dispersions, pH 1 leaded to a more pronounced precipitation of nanoparticles, indicating that the isoelectric point was reached. Thus, it can be concluded that oral administration of nanoparticles would not be appropriate due to the pH of the gastric fluid (1.2), which may cause a destabilization and consequent precipitation of nanoparticles.
URI: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/3610
Aparece nas coleções:CM - Tecnologia em Alimentos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
CM_COEAL_2014_1_08.pdf1,25 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.