Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/432
Título: Degradação de atrazina proveniente de laboratório de análises cromatográficas utilizando os processos fenton e foto-fenton
Autor(es): Kalinke, Cristiane
Betiolo, Diogo Mauricio
Orientador(es): Rodrigues, Márcio Barreto
Palavras-chave: Análise cromatográfica
Agentes oxidantes
Chromatographic analysis
Oxidizing agents
Data do documento: 18-Nov-2011
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Pato Branco
Referência: KALINKE, Cristiane; BETIOLO, Diogo Mauricio. Degradação de atrazina proveniente de laboratório de análises cromatográficas utilizando os processos fenton e foto-fenton. 2011. 60 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2011.
Resumo: Este trabalho apresenta um estudo de avaliação da degradação da atrazina por processos oxidativos avançados (POAs), defensivo agrícola, de alto risco a saúde humana e ao meio ambiente em geral. O presente estudo foi desenvolvido no Laboratório de Análises Cromatográficas da Central de Análises, localizado em Pato Branco – PR, campus da UTFPR. A atrazina estudada foi proveniente das análises cromatográficas acumulada em função da rotina do laboratório. A concentração do contaminante encontrada foi de 19 μg.L-1, valor muito superior ao permitido pela legislação brasileira (Portaria n° 1469 de Dezembro de 2000, do Ministério da Saúde) em vigor, que é de 2 μg.L-1, desta forma, para que seu lançamento possa ser feito em corpos receptores justifica-se um tratamento prévio. Na tentativa de desenvolver uma metodologia eficiente para a degradação da atrazina e seus intermediários, utilizaram-se os POAs Fenton e foto-Fenton com um reator em batelada com capacidade para 500 mL de amostra com controle de temperatura, agitação e fonte de irradiação de 125 watts de capacidade. Os resultados obtidos comprovaram que os POAs se mostraram capazes de degradar a molécula de atrazina. No entanto a formação de subprodutos foi verificada pela presença de picos cromatográficos adicionais em tempos de retenção inferiores ao da atrazina, sugerindo a formação se subprodutos intermediários de natureza aromática e não aromática oriundas do processo de fotodegradação.
Abstract: This work presents an evaluation study of the degradation of atrazine by advanced oxidation processes (AOPs), pesticides, high-risk human health and the environment in general. This study was conducted at the Laboratório de Análises Cromatográficas da Central de Análises, located in Pato Branco – PR, UTFPR campus. Atrazine has been studied from the chromatographic analysis according to the accumulated routine laboratory. The concentration of the contaminant found was a 19 μg.L-1, much higher than the value allowed by Brazilian legislation (Ordinance N° 1469 of December 2000, the Ministry of Health) in place, which is a 2 μg.L-1, this way, so that its release can be made into receiving bodies is warranted prior treatment. In an attempt to develop an efficient methodology for the degradation of atrazine and its intermediates, we used the POAs Fenton and photo-Fenton with a batch reactor with a capacity of 500 mL of sample with temperature control, agitation and a source of irradiation of 125 watts of capacity. The results obtained proved that the POAs have been shown to degrade atrazine molecule. However the formation of by products was confirmed by additional chromatographic peak retention times lower than that of atrazine, suggesting the formation of intermediate products are aromatic and non aromatic nature coming from the photodegradation process.
URI: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/432
Aparece nas coleções:PB - Química

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PB_COQUI_2011_2_05.pdf889,11 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.