Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/5748
Título: Avaliação da atividade do operador de torno semiautomático para peças seriadas: estudo ergonômico
Autor(es): Meira, Ademar Alves de
Orientador(es): Pessa, Sergio Luiz Ribas
Palavras-chave: Usinagem
Ergonomia
Qualidade de vida no trabalho
Processos de fabricação - Fatores humanos
Machining
Human engineering
Quality of work life
Manufacturing processes - Human factors
Data do documento: 31-Out-2014
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Pato Branco
Referência: MEIRA, Ademar Alves de. Avaliação da atividade do operador de torno semiautomático para peças seriadas: estudo ergonômico. 2014. 15 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2014.
Resumo: A avaliação ergonômica da atividade do operador de torno semiaumático foi o tema escolhido, pelo incremento de demanda de ações de segurança e ergonomia deflagrados com a instalação da Promotoria Pública do Trabalho no município de Pato Branco/Paraná no ano de 2013, e também pela presença de processos de usinagem seriados nesta microrregião. O ambiente e a condição ergonômica são variáveis que interferem na produtividade e qualidade do processo produtivo, no competitivo mercado em que se insere esta empresa, que produz conexões utilizadas na linha branca de eletrodomésticos. Aplicada a ferramenta NASA/TLX e realizado o estudo ergonómico, foram propostas medidas de melhoria e adequação, como a automatização do abastecimento da matéria prima, bancos de apoio semi-sentado, pausas e rodízios, coleta de cavaco automática. Os resultados também permitiram perceber as demandas, comparando as duas formas de realizar a atividade é possível observar as diferenças existentes e quais os fatores relevantes. Na atividade automatizada a carga mental tem maior relevância, na máquina manual a carga física é de maior importância, bem como a demanda temporal, que pode estar relacionada a permanência e ações contínuas, como é o caso da retirada de cavaco, enquanto que na automática os operadores apontaram a demanda de esforço com 16,6% e a temporal com 10%, porém é preciso considerar que apesar de a retirada de cavaco ser automática, as máquinas são alimentadas manualmente e um mesmo trabalhador opera várias máquinas ao mesmo tempo.
URI: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/5748
Aparece nas coleções:PB - Engenharia de Produção

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PB_ESEP_I_2013_01.pdf496,54 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.