Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/7705
Título: Sanidade em lotes de sementes florestais nativas do Brasil
Título(s) alternativo(s): Sanity in lots of forest-tree seeds native to Brazil
Autor(es): Grando, Rodrigo
Orientador(es): Borin, Maristela dos Santos Rey
Palavras-chave: Florestas - Conservação
Fusarium
Penicillium
Aspergillus
Forest conservation
Data do documento: 6-Jun-2017
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Dois Vizinhos
Referência: GRANDO, Rodrigo. Sanidade em lotes de sementes florestais nativas do Brasil. 2017. 49 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, 2017.
Resumo: A demanda de sementes florestais de qualidade, vem sofrendo grande aumento, visto a necessidade de conservação das florestas nativas. Os lotes de sementes florestais devem ser isentos de fitopatógenos evitando-se contaminação em áreas isentas de doença, sendo muito importante para evitar perdas econômicas e assegurando um plantio florestal com qualidade. Sendo que a falta de estudo e de informação acerca de lotes de sementes florestais nativas, faz com que ocorra disseminação de doenças. O objetivo desse trabalho foi avaliar a sanidade em lotes de sementes florestais nativas. Foram utilizadas 13 espécies diferentes, parte coletadas na UTFPR/DV e parte cedidas pelo IAP-Umuarama. Os testes foram realizados através do método do Blotter test (BRASIL, 2009). Para cada teste utilizou-se um lote de 200 sementes. Cada lote foi distribuído sobre papel filtro umedecido com água destilada e esterilizada em autoclave e posta em recipiente gerbox. Os tratamentos foram incubados pelo período de (7 dias) em câmara de crescimento BOD á 24°C com foto período de 12 horas. As avaliações foram realizadas com microscópio estereoscópico ótico. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com oito repetições para cada uma das espécies. Os dados obtidos foram submetidos à análise de médias pelo teste de Scot-Knott a 5% de probabilidade de erro. Conclui-se que, os fungos que mais tiveram incidência nos lotes de sementes florestais nativas do Brasil foram: Fusarium sp., Rhizopus sp., Penicillium sp., e Aspergillus sp.
Abstract: The demand of quality, forest seeds has been suffering greatly increased, since the need for conversation of native forests. With the creation of environmental policies, trade areas plantations contributing directly to this growth. Lots of forest seed must be free of plant pathogens, thus avoiding contamination in disease-free areas, economic losses and ensuring a quality forest planting. And the lack of study and information about lots of native forest seeds, causes the spread of diseases. The objective of this work was to evaluate the sanity in lots of forest-tree seeds native to Brazil. 13 native forest species were collected and provided by the IAP-UMUARAMA. The tests were carried out through the filter paper method (BRAZIL, 2009). For each test a batch of 200 seeds. Each lot was distributed on filter paper moistened with water on seed dispersal in container. The treatments were stored for a period of (7 days) in growth Chamber BOD to 24°C with 12-hour period photo. The evaluations were carried out with stereoscopic microscope, and identification of degrowth structures and reproduction of pathogens present. The experimental design was completely randomized with eight repetitions for each species. Data were subjected to analysis of averages by Scot-Knott test at 5% probability of error. It is concluded that fungi had more impact on lots of native forest seeds from Brazil were: Fusarium SP., Rhizopus SP., Penicillium SP., and Aspergillus sp.
URI: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/7705
Aparece nas coleções:DV - Engenharia Florestal

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DV_COENF_2017_1_15.pdf1,74 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.