Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/7977
Título: Potencial de indutores de resistência no tratamento de sementes de angico-branco ( Anadenanthera colubrina (Vellozo) Brenan) e no controle de Fusarium sp. em condições in vitro
Título(s) alternativo(s): Potential resistance inducers in the treatment of mimosa white seeds (Anadenanthera colubrina (Vellozo) Brenan) and the control of Fusarium sp. in vitro conditions
Autor(es): Cruz, Mycheli Preuss da
Orientador(es): Mazaro, Sérgio Miguel
Palavras-chave: Florestas - Reprodução
Sementes - Armazenamento
Pragas - Controle
Forest regeneration
Seeds - Storage
Pests - Control
Data do documento: 10-Jun-2016
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Dois Vizinhos
Referência: CRUZ, Mycheli Preuss. Potencial de indutores de resistência no tratamento de sementes de angico-branco (Anadenanthera colubrina (Vellozo) Brenan) e no controle de Fusarium sp. em condições in vitro. 2016. 38 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Dois Vizinhos, 2016.
Resumo: A longevidade das sementes florestais armazenadas normalmente é curta, devido à perda rápida da viabilidade durante a secagem. Entre os fatores, que prejudicam a qualidade das mesmas, destacam-se os fungos fitopatogênicos, os quais deterioram as sementes, alterando o poder germinativo e suas qualidades iniciais no vigor e sanidade. Assim, é importante o tratamento de sementes no controle e prevenção de fitopatógenos. Nos últimos anos, diversos trabalhos vêm demonstrando o potencial de métodos alternativos no tratamento de sementes. A indução de resistência é um método que envolve a ativação de mecanismos de defesa presentes na planta, capazes de ativar/induzir respostas de defesa. Nesse sentido, foi desenvolvido o experimento no Laboratório de Fitopatologia e de Sementes da UTFPR – Campus Dois Vizinhos, com objetivo de avaliar o potencial dos indutores ácido salicílico (2,0mM), fenilalanina (2,0mM), fosfito de potássio (0,001%) e Acibenzolar-S-Metil (0,005%). As sementes foram tratadas por imersão, por 2 minutos, com os diferentes indutores e para a testemunha utilizou-se água destilada. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições, sendo a parcela constituída por 50 sementes. Após, os tratamentos, as sementes foram armazenadas por sete dias na câmara germinadora com temperatura de 25ºC (±1) com fotoperíodo de 12 horas. Após o período de armazenamento, foram avaliados os parâmetros de germinação, tamanhos de plântulas e massa fresca. Ainda, retirou-se material vegetal para as analises bioquímica, sendo proteínas totais, atividade das enzimas FAL, quitinase e β-1,3- glucanase.Para o experimento in vitro, o delineamento experimental inteiramente casualizado, em 4 repetições, sendo a unidade experimental composta por uma placa. Os indutores, nas mesmas concentrações do experimento do tratamento de sementes, foram adicionados ao meio de cultura BDA e vertidos em placas de Pedri® de 9 cm de diâmetro. Em seguida discos de 3mm de diâmetro de micelio de Fusarium sp. foram transferidos para o centro da placa. As placas foram fechadas e incubadas em BOD à 26 °C com fotoperíodo de 12 horas. As avalições foram realizadas diariamente por 6 dias, até a testemunha tomar conta de toda a placa. Os dados foram tabulados e submetidos a análise de variância, para as variáveis que apresentarem significância será realizado regressão com auxílio do software Assistat®. Os resultados demonstraram que o tratamento de sementes com os diferentes indutores não interferem sobre os parâmetros fisológicos das sementes. E quanto a indução de resistência os tratamentos interferem na atividade da FAL, no entanto, não apresentam ação sob a quitinase e β- 1,3 glucanase. In vitro o fosfito de potássio apresenta potencial de controle de Fusarium sp. inibindo totalmente o crescimento micelial.
Abstract: A longevidade das sementes florestais armazenadas normalmente é curta, devido à perda rápida da viabilidade durante a secagem. Entre os fatores, que prejudicam a qualidade das mesmas, destacam-se os fungos fitopatogênicos, os quais deterioram as sementes, alterando o poder germinativo e suas qualidades iniciais no vigor e sanidade. Assim, é importante o tratamento de sementes no controle e prevenção de fitopatógenos. Nos últimos anos, diversos trabalhos vêm demonstrando o potencial de métodos alternativos no tratamento de sementes. A indução de resistência é um método que envolve a ativação de mecanismos de defesa presentes na planta, capazes de ativar/induzir respostas de defesa. Nesse sentido, foi desenvolvido o experimento no Laboratório de Fitopatologia e de Sementes da UTFPR – Campus Dois Vizinhos, com objetivo de avaliar o potencial dos indutores ácido salicílico (2,0mM), fenilalanina (2,0mM), fosfito de potássio (0,001%) e Acibenzolar-S-Metil (0,005%). As sementes foram tratadas por imersão, por 2 minutos, com os diferentes indutores e para a testemunha utilizou-se água destilada. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições, sendo a parcela constituída por 50 sementes. Após, os tratamentos, as sementes foram armazenadas por sete dias na câmara germinadora com temperatura de 25ºC (±1) com fotoperíodo de 12 horas. Após o período de armazenamento, foram avaliados os parâmetros de germinação, tamanhos de plântulas e massa fresca. Ainda, retirou-se material vegetal para as analises bioquímica, sendo proteínas totais, atividade das enzimas FAL, quitinase e β-1,3- glucanase.Para o experimento in vitro, o delineamento experimental inteiramente casualizado, em 4 repetições, sendo a unidade experimental composta por uma placa. Os indutores, nas mesmas concentrações do experimento do tratamento de sementes, foram adicionados ao meio de cultura BDA e vertidos em placas de Pedri® de 9 cm de diâmetro. Em seguida discos de 3mm de diâmetro de micelio de Fusarium sp. foram transferidos para o centro da placa. As placas fo ram fechadas e incubadas em BOD à 26 °C com fotoperíodo de 12 horas. As avalições foram realizadas diariamente por 6 dias, até a testemunha tomar conta de toda a placa. Os dados foram tabulados e submetidos a análise de variância, para as variáveis que apresentarem significância será realizado regressão com auxílio do software Assistat®. Os resultados demonstraram que o tratamento de sementes com os diferentes indutores não interferem sobre os parâmetros fisológicos das sementes. E quanto a indução de resistência os tratamentos interferem na atividade da FAL, no entanto, não apresentam ação sob a quitinase e β- 1,3 glucanase. In vitro o fosfito de potássio apresenta potencial de controle de Fusarium sp. inibindo totalmente o crescimento micelial.
URI: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/7977
Aparece nas coleções:DV - Engenharia Florestal

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
DV_COENF_2016_1_11.pdf958,01 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.