Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/9627
Título: Custo de vida: um estudo na região de fronteira entre Argentina, Brasil e Paraguai
Título(s) alternativo(s): Cost of life: a study in the frontier region between, Argentina, Brazil and Paraguay
Autor(es): Bittencurt, Sandro Kliffer
Orientador(es): Schvirck, Eliandro
Palavras-chave: Salários
Custo de vida
Igualdade
Renda - Distribuição
Wages
Cost and standard of living
Equality
Income distribution
Data do documento: 2-Dez-2016
Editor: Universidade Tecnológica Federal do Paraná
Câmpus: Pato Branco
Referência: BITTENCURT, Sandro Kliffer. Custo de vida: um estudo na região de fronteira entre Argentina, Brasil e Paraguai. 2017. 25 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Pato Branco, 2017.
Resumo: O artigo, tem como propósito principal analisar os salários mínimos da Argentina, Brasil e Paraguai, verificando qual é o poder de compra de cada um. Para a análise e verificação, buscou-se conhecer quais eram os valores praticados em cada país e feito a sua conversão para dólar, fato que contribuiu para melhor comparação. Feito buscas dos valores praticados, procurou-se estabelecer quais seriam os itens que deveriam ser comparados. Os itens estabelecidos, referem-se a produtos semelhantes, que pertencem às cestas básicas de cada um dos países, e também os custos de aluguel, água, luz e combustível. Completado a pesquisa dos custos, realizou-se um comparativo, para cada um dos itens. Com a análise do comparativo, foi possível perceber, que tanto para os itens de alimentação e aluguel, há uma diferença considerável entre os preços praticados nos três países. E esta diferença, impacta de forma significante no poder aquisitivo do salário. Foi possível constatar que por mais que a Argentina pague um valor, superior aos dos demais, os custos para um trabalhador conseguir viver, superam os valores do salário mínimo. No caso do Paraguai, o custo de vida também supera o valor do salário mínimo, mas a situação não é tão grave quanto a situação do primeiro país. Já no caso do Brasil, por mais que o salário mínimo praticado seja o menor dentre os três, o custo para aquisição de produtos alimentícios e pagamento de aluguel, é inferior ao valor praticado.
Abstract: The main purpose of this article is to analyze the minimum wages of Argentina, Brazil and Paraguay, verifying the purchasing power of each one. For the analysis and verification, we sought to know the values practiced in each country and made their conversion to the dollar, a fact that contributed to a better comparison. After searching for the values practiced, we tried to establish what would be the items that should be compared. The established items, refer to similar products, which belong to the basic baskets of each of the countries, as well as the rental costs, water, electricity and fuel. Completing the cost survey, a comparison was made for each of the items. With the comparative analysis, it was possible to notice that for both food and rental items, there is a considerable difference between the prices practiced in the three countries. And this difference has a significant impact on the purchasing power of wages. It was possible to verify that, although Argentina pays a value, higher than the others, the costs for a worker to live, exceed the values of the minimum wage. In the case of Paraguay, the cost of living also exceeds the minimum wage, but the situation is not as serious as the situation in the first country. In the case of Brazil, even though the minimum wage is the lowest of the three, the cost of purchasing food products and paying rent is lower than the value practiced.
URI: http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/handle/1/9627
Aparece nas coleções:PB - Gestão Contábil e Financeira

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
PB_EGCF_XII_2017_29.pdf703,51 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.